sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Alma de pescador

Indústria pesqueira x pescador. Foto: Roberto Furtado
A história de pesca é um tema na vida de famílias... e com frequência se escuta de alguém. "Eu tenho (ou eu tive) um tio pescador!", ainda: "meu irmão é pescador!"
O pescador sempre tem uma história... quem conhece algumas delas, sabe que em muitos dos casos elas começaram na infância das pessoas. Pescaria é um atividade, profissional ou amadora, que passa pelas famílias, as vezes de mão em mão e comum é escutar de um grande pescador: "Meu pai pescava!"
Não há regras no mundo, não haveria para os casos de pescadores nascidos em lares onde não se praticava tal atividade. Aliás, se não havia influência familiar, aponta-se para um vivente com tendências fortes sobre um conjunto de possibilidades. Fazer algo pela influência é algo notável pela história, mas começar algo do nada é uma diferença de personalidade e vocação. 
Aos que realizam a pesca porque dela necessitam para viver, lamento, os tempos mudaram. Os mares estão secando de pescado devido a má administração deste que deveria ser um recurso renovável. O mar esta afirmando aos poucos... "mudem de atividade profissional enquanto há tempo!".
Os pescadores amadores, por perceber que a coisa não é tão simples assim, certamente tem um pouco mais de cautela nestes genocídios do pescado. A fartura de hoje, a falta do amanhã. "Grande safras" de corvinas em um dado ano, seguidamente comprovam redução em anos seguintes. Quem já viu muito peixe todos os anos? Isto não é viável...
A pescaria para quem ama a atividade, de qualquer natureza e importância, é uma arte. Se vc é pescador do tipo que lê o mar, sabe o que pode encontrar... também o que não pode, em termos de alegrias, sucesso, e lembranças. Um homem na beira da praia, de caniço e chumbada pronta para voar é garantia de felicidade. Para quem esta no barco, embora a diferença nos resultados, a felicidade pode não ser a mesma. Feliz é quem vive e respira pescaria sem o peso do ofício. Quem é pescador de alma aproveita muito mais... sonha com a próxima aventura. Quem depende, infelizmente, convive com a frustração, pq o peixe nem sempre esta lá!

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Leva teu lixo contigo... valeu?

Litoral do RS, 2007.
Com frequência as histórias de pescaria são contadas por "certa vez", ou "uma vez", "foi em", etc As histórias de peixes são contadas assim. A gente vai muitas vezes e em algumas poucas consegue tirar o proveito esperado. Não é tão simples ir lá e escolher o peixe como se faz no supermercado. Contudo, as histórias de lixos encontrados nas praias são uma realidade farta... "farta" falta de educação para as pessoas. Inúmeras foram as oportunidades que vi garrafas e outras embalagens com todo tipo de formato e idioma. E quantos são os pescadores que já vi, atirarem latas e garrafas de cerveja na praia. Deixam restos de linha de pesca, sacolas de plástico usadas para transporte de iscas! O lixo é farto nas praias... todo mundo quer encontrar a praia limpa, o paraíso, mas poucos se esforçam para tal. Aves, peixes, tartarugas e mamíferos mortos... motivo? Embalagens no interior de seus estômagos! Ou redes abandonadas, perdidas que vagam a deriva para o encontro com uma vítima. Já vi redes que o mar tocou para fora com caçonetes, corvinas, violas... ora, até com peixe protegido! Perder peixe protegido para rede a deriva é o fim dos tempos. O pescador que viveu anos de pescaria, teve seu sustento e o da família, agora paga os pecados. Onde esta o peixe? Acabou... esta acabando! Os pescadores vão virar outra coisa no sistema de trabalho... pq se não há peixe, pescaria que não vão fazer. E de certa forma, bom castigo para a sociedade... agora, vamos curtir nas redes sociais, menos peixes em nossas mesas, mais desempregados, menos ambientes para apreciar. Os mares estão podres... não de matéria orgânica, de materiais não biodegradáveis, lixo moderno! Se vais pescar, leva teu lixo pra casa e dá o fim adequado. Vai comprar frutas no supermercado... não deixa embalar. Pow, tem cara que vai no supermercado e embala melão com saco plástico antes de pesar! E por aí vai... com outros legumes e frutas que não há a menor necessidade. Embalar melão, banana, abacaxi... pow, tem que ser muito esperto mesmo. E as bitucas de cigarro jogadas pela janela do carro? Não basta ser um hábito terrível e prejudicial, o vivente ainda joga a bituca pela janela! Não tem lixinho dentro do carro? Fala sério... que difícil, né? Joga no chão do carro mesmo e quando chegar em casa bota no lixo. Que difícil! Pensa nestas pequenas coisas... Este é o tipo de texto mais batido no mundo e parece que as pessoas continuam sem entender. Até criança entende isto hoje...